Financiar um imóvel ou continuar no aluguel

Financiar um imóvel ou continuar no aluguel?

Comprar a tão sonhada casa própria é objetivo de vida da maioria dos brasileiros. Quando se chega à fase adulta, sentimo-nos pressionados a fazer tal aquisição, e acabamos partindo para financiar um imóvel, querendo sair logo do aluguel. Parece até que comprar um imóvel é a medida para realização pessoal e sucesso profissional. Mas, é isso mesmo?

Continuar no aluguel pode ser melhor que financiamento!

Saiba a razão!

Nos dias atuais, vivemos uma grande mudança no panorama econômico do Brasil e, da mesma forma, nossas percepções sobre economia e orçamento devem mudar. Em linhas gerais, o período é de alta nas taxas de juros, o que torna o investimento uma opção bastante desejada. Ao passo que deixa a aquisição de crédito para longo prazo menos interessante.

Além disso, em âmbito mundial vive-se um período de mudança nos padrões clássicos dos agentes econômicos. É um período de transição em que o uso se tornará mais importante do que a posse, de fato.

E aí, voltamos para nossa discussão atual: financiar um imóvel ainda é a melhor opção? Ou o aluguel com aplicações financeiras também pode ser interessante?

Geralmente, nem paramos para refletir sobre o assunto. A maioria das conversas é: “Aluguel? Vou pagar um imóvel que não vai ser meu? Quero é fazer meu financiamento logo, pelo menos vou pagar a minha casa.”

Aluguel ou financiamento – na prática

Segundo dados da Secovi-SP, para comprar um imóvel de dois quartos no bairro Ipiranga, em agosto de 2016, na cidade de São Paulo, com 100 m², você vai desembolsar R$ 750.000,00.

Como nem todo mundo quer morar nesta localidade, nem na cidade de São Paulo, vamos, então, trabalhar com um valor razoável de R$ 500.000,00 (2 ou 3 quartos numa cidade média).

No caso de financiamento

Entrada (20% do valor do imóvel): R$ 100.000,00
Valor a ser financiado: R$ 400.000,00
Taxa de financiamento: 12% a.a.
Prazo: 30 anos – equivalente a 360 meses

O valor da primeira parcela, no Sistema de Amortização Constante (SAC), é de R$ 4.906,63.

O valor total desembolsado, após os 30 anos, é de R$ 1.085.090,85. Em outras palavras, você vai pagar dois imóveis.

No caso do aluguel com aplicação da diferença

Valor do aluguel: R$ 2.800,00 (preço média do aluguel de um imóvel nesta faixa de valor)

Diferença entre parcela do financiamento e aluguel: R$ 2.106,63.
Veja que, pelo SAC, só a partir da parcela de número 201 o valor da parcela e do aluguel se igualariam.

Se você aplicar na poupança (investimento de renda fixa extremamente conservador), o valor da entrada (R$ 100.000,00) mais aplicações mensais de R$ 2.000,00 (que é modesto se comparado aos primeiros anos do financiamento), no final de 12 anos você terá o valor de R$ 620.000,00 e poderia comprar o imóvel à vista.

Vantagens e desvantagens de cada um

Mobilidade

Com o aluguel, você tem mais mobilidade. Se você está em uma fase que mudanças serão mais recorrentes, essa opção será melhor do que financiar um imóvel.

Custo de manutenção

Ponto para o aluguel também. Grande parte destes custos ficam a cargo do proprietário, então os valores diminuem em relação ao financiamento.

Personalização/Reformas

Nesse ponto, financiar um imóvel é uma opção mais interessante. Na casa alugada, suas possibilidades de personalização e reformas ficam bastante limitadas.

Risco de desvalorização do imóvel

Um dos principais motivos para optar-se por financiar um imóvel, além de pagar por algo que será meu, é a esperança de valorização do imóvel no futuro. Mas, isso pode não acontecer por diversos fatores, como construções públicas (viadutos passando muito próximo), favelização da região, desastres naturais, comprometimento da estrutura, etc.

E, num cenário ainda pior, caso o imóvel desvalorize ao longo do tempo você terá perdas financeiras gigantescas, principalmente, levando em consideração os juros pagos no financiamento.

Risco de inadimplência

Financiar um imóvel tem um risco de inadimplência alta. Você vai se casar, literalmente, com uma conta por 30 anos. Nesse período, a sua realidade financeira pode mudar. Se você atrasa parcelas, a incidência de juros é ainda mais alta. E, em casos extremos, você pode até perder o imóvel num leilão (para evitar isso, leia o artigo sobre economia doméstica e mentalidade financeira).

Realização pessoal

Geralmente, comprar um imóvel está muito ligado a realizar um sonho pessoal. E, na maioria dos casos, as pessoas preferem conquistar logo o objeto de desejo e fazer as contas depois.

Segurança/Disciplina

Comprar sua casa própria te proporciona uma sensação de segurança e conforto muito grande. E é geralmente isso que a maioria das pessoas buscam ao financiar um imóvel. Ter certeza de que o bem é seu (ainda que só depois de 30 anos) pode ser muito gratificante.

Aliado a isso, está a disciplina. Nem todo mundo tem a disciplina financeira de fazer a mesma aplicação todos os meses numa poupança. Se você não tiver disciplina para o investimento, acaba perdendo tempo e dinheiro.

O que é melhor para mim?

Não hesite em fazer os cálculos. Na maioria dos casos, ficar mais um tempinho no aluguel e aplicar a diferença pode ser um investimento muito mais interessante do que entrar de cabeça e financiar um imóvel.

Faça bom uso do seu dinheiro e use os juros a seu favor! Compartilhe este artigo com seus amigos e, se tiver alguma dúvida, deixe nos comentários. Até a próxima!