Economia Doméstica

Economia Doméstica e Mentalidade Financeira: O que você precisa saber sobre isso!

A economia doméstica ainda é, dentre a pauta familiar, muito negligenciada. Você sabe quanto são seus gastos com água, energia, internet? Ou qual porcentagem do seu salário fica no supermercado? Ou ainda qual despesa abocanha a maior parte do seu rendimento?

Vou fazer uma pergunta mais fácil: você conhece seu comportamento financeiro? Ou compra o que dá vontade?

A maioria das pessoas endividadas com quem converso não sabem nem como entraram no vermelho. E isso pode acontecer num piscar de olhos! Basicamente, chega-se a esse ponto por não saber o que é (ou não colocar em prática) a economia doméstica.

Vamos entender como sua mentalidade financeira influencia na economia doméstica e saúde financeira da sua família!

Você sabe o que é economia doméstica?

Fazer essa pergunta parece meio bobo, é intuitivo dizer que economia doméstica é o conjunto de despesas e receitas da casa. Mas, é só isso?

Não! Economia doméstica consiste na educação financeira familiar. Como assim?

Todos na sua casa estão cientes de quanto se pode gastar com cada coisa no mês? Ou quais os projetos futuros da família? É claro que você não precisa discutir isso com seu filho de 4 anos, mas, pelo menos, sua(seu) companheira(o) precisa compartilhar dessas informações.

Dicas rápidas de economia doméstica:

Tenha uma planilha de orçamento familiar

Isso aí, sem preguiça! Anote todas as suas despesas, nada como controlar para gerenciar melhor. Só dessa forma você terá um olhar holístico sobre seus gastos e entender o que pode melhorar.

Tem uma frase muito interessante sobre isso: “Pequenas fissuras podem afundar grandes navios”. Por isso, é muito importante anotar cada gasto, por mínimo que seja, para ter total controle sobre o destino do seu dinheiro.

Baixe a planilha de orçamento doméstico do Fim das Dívidas, que foi desenvolvida especialmente para você ter esse controle.

Leve para o supermercado: lista e calculadora

É obrigatório levar uma lista para o supermercado. Fazendo isso, você restringe o número de produtos que recebem sua atenção e minimiza o risco de comprar por impulso.

Quer uma dica matadora? Faça uma refeição caprichada antes de ir ao mercado!

Faça contas, compare marcas e embalagens. Geralmente, a compra de uma quantidade maior pode ser mais vantajosa. Às vezes, um preço menor pode não ser tão vantajoso, quando comparadas as quantidades de cada embalagem.

Dica matadora: baixe um aplicativo de listas de compras para o seu smartphone e selecione os produtos que precisa comprar antes de ir ao mercado.

Se você usa dispositivos Android, recomendo o BoaLista ou o Meu Carrinho (ambos gratuitos – e eu não recebo nada por indicá-los! rs). Para iPhone, você tem o IntelliList como opção gratuita, e no Windows Phone, você pode usar o Lista de Compras.

Renegocie contas de telefone, TV e internet

Sempre dá para renegociar essas contas fixas. Busque um preço melhor e mude até de operadora, se for o caso, mas não aceite os valores absurdos normalmente cobrados.

Lembre-se: o ideal é que todos em casa utilizem a mesma operadora e que os pontos adicionais de TV, por exemplo, sejam revistos. A ordem é reduzir custos!

É claro que tem mais um monte de coisas que podemos fazer para melhorar a educação financeira familiar. E isso é mostrado em vários posts no portal.

Revise a situação do seu veículo

Se você possui um automóvel, é necessário avaliar a relação custo x benefício do mesmo. Se houver um financiamento, é importante também verificar se a taxa de juros está coerente com o cenário econômico e se as parcelas cabem no orçamento.

Leia o post Carro é como um filho e descubra quais as despesas que estão associadas à propriedade de um carro. Leia também outro post relacionado, sobre as vantagens e desvantagens na hora de escolher um carro zero ou seminovo.

Saúde financeira: como está a sua?

Parte do que nos ensina a economia doméstica é rever sua saúde financeira. Einstein define loucura como sendo “fazer a mesma coisa várias vezes e esperar um resultado diferente”.

Ou seja, se o seu padrão de vida atual, seu nível de despesas costumeiro, não lhe permitem uma boa saúde financeira, continuar com os mesmos hábitos não vai mudar nada. A solução não cai do céu.

E aí a gente chega ao ponto crucial, que é a mentalidade financeira. Se você pensa (e age) de forma incoerente com a sua realidade, consequentemente, seu orçamento nunca será saudável.

Afinal de contas, o que é mentalidade financeira?

Mentalidade financeira é o que você pensa sobre o dinheiro.  Vamos entender isso sob duas vertentes: a do pensamento e a do comportamento.

Pensamento

O que é ter dinheiro para você? Como você encara suas dívidas? Quais seus projetos para o futuro? O que você pensa sobre ter dinheiro e não ter dinheiro?

A forma como você encara sua situação financeira exprime sua mentalidade sobre o dinheiro. Em outras palavras, você se entende como alguém que pode ter uma vida financeira saudável ou como alguém que se acomodará na situação atual?

Comportamento

O comportamento, naturalmente, reflete como você pensa. O importante aqui é entender se esse comportamento é coerente com sua realidade. Vamos lá!

Pondere sobre isso: quanto você ganha e qual seu padrão de vida? Essas coisas fazem sentido entre si? Se não fazem, algo precisa ser revisto.

Seus custos com carro, restaurantes, passeios, roupas representam quanto do seu orçamento? Você compra frequentemente por impulso?

Se seus custos não condizem com sua real situação, sua mentalidade financeira precisa ser revista. Basicamente, você precisa mudar a forma como você encara seu dinheiro.

Imagine a seguinte situação: você passa a se perceber como alguém que pode ter um bom padrão de vida e de forma saudável. A partir daí, você encara todos as suas decisões financeiras de forma diferente, tendo em mente o objetivo maior: sua saúde financeira. Nesse sentido, passa a controlar seus gastos e sua família abraça essa ideia.

Dessa forma, é mais palpável ter uma boa qualidade de vida sem precisar ficar na forca todos os meses, certo?

Pense sobre isso e coloque em prática! Deixe seu comentário abaixo e compartilhe conosco as suas estratégias.