Consumo consciente

Consumo consciente – você pratica?

Nos dias atuais, somos bombardeados o tempo todo com uma série de novos produtos que chegam ao mercado, promoções, descontos e um marketing esperto que te faz querer comprar tudo. Nesse cenário, como você classificaria seu consumo? É um consumo consciente?

Consumir é o ato de comprar e/ou usufruir de um produto ou serviço. Hoje em dia, este é um tema em pauta nos principais debates econômicos, políticos, de marketing e de economia doméstica. Afinal de contas, é o consumo que move e direciona a economia.

Entretanto, observando o orçamento familiar, o excesso de consumo pode ser extremamente prejudicial para a saúde financeira. Nesse sentido, desenvolveu-se, inclusive, o termo “consumismo”, que é uma referência negativa ao excesso de consumo, principalmente, o consumo supérfluo.

O que influencia o consumo das pessoas?

O seu consumo é influenciado por suas necessidades, desejos, preferências, sonhos, padrão de vida, além de muitos outros aspectos que ajudam a formular a decisão final na hora do “compro ou não compro?”.

Mas, de forma geral, o consumo das pessoas é determinado por três variáveis principais: status, realização pessoal e necessidade. Vejamos!

Status

Grande parte da população consome por status. As influências sociais determinam, recorrentemente, o consumo das pessoas, o que atrapalha o consumo consciente.

Reflita: quantas vezes você já comprou uma roupa mais cara só porque era a marca que todo mundo estava usando? Ou trocou de celular várias vezes em um curto período de tempo? Quis trocar de carro por um modelo zero quilômetro sem uma necessidade real?

Todos esses hábitos refletem consumos pela necessidade de afirmação para um grupo social. Muitas vezes, não são medidas as consequências para se conquistar o sonhado item. E aí, estourar o cartão de crédito, entrar no cheque especial ou buscar um empréstimo pessoal são ações executadas sem medir a inferência no orçamento familiar.

Realização pessoal

O consumo está, também, muito relacionado à realização pessoal. A sensação de chegar à um objetivo final, alcançar uma meta, e poder comprar aquilo que se deseja e planejou é fantástica.

Geralmente, este tipo de consumo está relacionado à compra de um imóvel ou de um veículo, ou ainda de uma viagem. O que vale, nesse caso, é tornar o consumo consciente e fazer um bom planejamento e não exagerar.

Necessidade

O consumo por necessidade refere-se àquele necessário para subsistência. Em outras palavras, são os itens que você precisa para viver de forma minimamente confortável.

Nessa modalidade, estão incluídos: alimentação, energia, água, internet, escola, gás, combustível etc. Ou seja, todo o aparato de custos fixos que são necessários no seu dia-a-dia.

Afinal, o que é consumo consciente?

Praticar o consumo consciente é ter uma clara noção das suas necessidades e não ser influenciado por fatores externos.

Isso significa comer só o arroz e feijão e nunca comprar um filé mignon? Não! Significa ser consciente sobre até onde vai seu orçamento e o que está de acordo com a sua realidade. Veja o artigo sobre Economia Doméstica e Mentalidade Financeira.

É claro que as exceções que podem ser feitas. Todo mundo precisa de conforto, qualidade de vida e algumas regalias de vez em quando. O importante é ter consciência do que isso significa para o seu orçamento. Ou seja, fazer uma escolha, não apenas agir por impulso.

O que atrapalha o consumo consciente?

A facilidade de obtenção de crédito é um dos fatores que contribui para o consumo inconsciente. É fato que, com a recente retração econômica brasileira, o mercado está mais receoso em liberar crédito. Hoje, por exemplo, exige-se muito mais comprovações de capacidade de honrar dívidas do que era exigido há três ou quatro anos.

Se isso é bom por um lado, é terrível por outro, pois as taxas de juros estão em patamares exorbitantes, podendo gerar a tão temida bola de neve das dívidas, caso o planejamento seja negligenciado.

Aliado à facilidade de crédito, está o parcelamento sem juros.  A maioria das lojas oferecem opções de parcelamento das compras sem juros no cartão de crédito e até no carnê. Isso te leva a adquirir bens com valores mais altos do que o seu real poder de compra.

A falta de educação financeira é a principal vilã do consumo consciente. Nós, brasileiros, ainda não temos uma cultura de educação financeira forte. À medida que este cenário mudar, as decisões de compra serão tomadas com mais segurança e responsabilidade.

Dica de ouro

Sempre antes de comprar alguma coisa se pergunte se você realmente precisa fazer essa aquisição. Não gaste mais do que o seu orçamento lhe permite. Use seu dinheiro de forma consciente!

Deixe um comentário sobre como você consome e compartilhe com seus amigos nas redes sociais, para ajudar algum deles em situação difícil. Até a próxima!

Nota: há um livro muito interessante que trata de gatilhos mentais, que são mecanismos do subconsciente que são disparados para incentivar alguém a adquirir algo ou praticar alguma ação que desejamos. O livro chama-se “As Armas da Persuasão“, de Robert Cialdini. E serve tanto para você que quer vender mais, quanto para quem quer se proteger das armadilhas que o marketing nos impõe todos os dias.